Notícias

Ótima Notícia: Geap tem mais um projeto aprovado na ANS
A+ A-

A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) selecionou um projeto da Geap Autogestão em Saúde para fazer parte do OncoRede, iniciativa que prevê a reorganização da rede de atenção oncológica na saúde suplementar. Foram apresentadas 42 propostas de adesão de operadoras de planos de saúde e prestadores de serviços - hospitais, clínicas e laboratórios. Em fevereiro, as instituições selecionadas começarão a desenvolver os projetos, com acompanhamento e monitoria da ANS.

Segundo a ANS, o OncoRede estabelece um conjunto de ações integradas para qualificar o cuidado oncológico. As medidas visam estimular a adoção de boas práticas na atenção ambulatorial e hospitalar e promover melhorias nos indicadores de qualidade da atenção ao câncer, além de possibilitar um diagnóstico mais preciso da assistência. Entre as medidas previstas estão a centralização do cuidado no paciente, a adoção de laudo integrado de exames, a introdução do assistente do cuidado, responsável por conduzir o paciente ao longo do percurso assistencial e a busca ativa no momento do envio do resultado de exames.

Atualmente, a operadora tem 4 mil beneficiários em tratamento do câncer que utilizam recursos como quimioterapia, radioterapia, medicação quimioterápico oral, intravenoso e coadjuvantes, serviço ambulatorial, hospitalar e intervenção cirúrgica.

O Projeto Piloto da Geap será implementado na Gerência Regional de Brasília e contemplará todas as faixas etárias, centralizando a atenção no cuidado do beneficiário. O modelo pretende estabelecer como linha de cuidado a prevenção primária, intensificando ações de promoção da saúde e proteção específica; assim como as demais medidas de prevenção secundária com diagnóstico precoce, tratamento oportuno e limitação do dano; e na prevenção terciária com a reabilitação.

O OncoRede se faz relevante na medida que garante a integralidade da atenção e cuidado ao beneficiário portador de câncer, com a minimização da fragmentação no tratamento oncológico, a redução de custos assistenciais e a melhoria da qualidade de vida.

Publicação GEAP/ASCOM - 21/02/2017